92012mar

Chlamydia trachomatis IgM, IgG, IgA – anticorpos anti

Comentários

Testes sorológicos não são usados rotineiramente, de forma isolada, no diagnóstico de infecções genitais pela C.trachomatis em adultos, tendo maior utilidade em neonatos, pacientes com quadros sistêmicos e em inquéritos epidemiológicos. A realização de sorologias pareadas, com demonstração de elevação de 4 vezes nos títulos na fase aguda e convalescença, aumenta o poder diagnóstico da sorologia para C. trachomatis. A sorologia não é útil para controle de cura da infecção. IgM anti-Chlamydia trachomatis: não é um marcador fidedigno de infecção aguda, uma vez que freqüentemente está ausente, pois pacientes geralmente já tiveram infecções passadas por outras espécies de clamídias. É útil no diagnóstico da pneumonia por C. trachomatis em neonatos, onde está presente em quase 100% dos casos e no linfogranuloma venéreo, por se tratar de doença sistêmica. Mulheres com infecções genitais altas (endometrite, salpingite) tendem a títulos mais elevados de anticorpos. Falso-positivos para fator reumatóide e reações cruzadas com C. pneumoniae são descritos. IgM apresenta sensibilidade de 19% em quadros de infecção urogenital por C. trachomatis. IgG anti-Chlamydia trachomatis: está presente em 100% das crianças com pneumonia e conjuntivite de inclusão, podendo significar, entretanto, transmissão materna passiva de IgG. A prevalência do Anti-clamídia IgG é alta em mulheres, mesmo naquelas sem infecção aguda, o que diminui sua importância diagnóstica. IgA anti-Chlamydia trachomatis: sua associação estatística com doença ativa é descrita. Em adultos é mais freqüentemente encontrado que o IgM na fase aguda. IgA anti-clamídia apresenta sensibilidade de 63% em quadro de infecção urogenital por C. trachomatis.

ANTICORPOS IgG e IgM

Método

Imunofluorescência indireta

ANTICORPOS IgA

Método

Imunoensaio enzimático

Condição

0,2mL de soro para cada.

Jejum Obrigatório 8h.